quarta-feira, 30 de maio de 2007

SISTEMA RESPIRATÓRIO



VENTILAÇÃO PULMONAR

SR = Vias aéreas + pulmões

SUBDIVISÃO

Zona Condutora ou condução: Nariz, nasofaringe, laringe, traquéia, brônquios, bronquíolos e bronquíolos terminais.

Função: Levar e trazer ar da zona respiratória para trocas gasosas e para (aquecer, filtrar e umidificar o ar, antes que ele chegue à região crítica das trocas gasosas.

Zona Respiratória: Onde ocorrem as trocas gasosas. Bronquíolos respiratórios, dutos alveolares, sacos alveolares.
As vias condutoras são revestidas por:Células secretoras de muco e células ciliadas que atuam na remoção das partículas inaladas.
As paredes das vias condutoras contêm: Músculo liso, que recebe inervação simpática e parassimpática, que exercem efeitos opostos sobre o diâmetro da via aérea.

1. Simpático - Beta2 no músculo liso dos brônquios produzindo relaxamento e dilatação.
2. Neurônios colinérgicos parassimpáticos – receptores muscarínicos que produzem constricção das vias aéreas.
O SNA sobre o diâmetro das vias aéreas, têm efeitos previsíveis sobre a resistência das vias aéreas e sobre o fluxo do ar.

ZONA RESPIRATÓRIA

Os Bronquíolos respiratórios são considerados integrante de troca gasosa; são estruturas transacionais. Possuem cílios e músculos liso.
-Os dutos alveolares são revestidos de alvéolos, mas não contêm cílios e pouco músculo liso.
-Os dutos alveolares terminam nos sacos alveolares também revestidos pos alvéolos.
OS ALVÉOLOS: São evaginações saculares da parede dos brônquios respiratórios, dos dutos alveolares e dos sacos alveolares.
-Cada pulmão contém +/- 300 milhões de alvéolos;
-O diâmetro de cada alvéolo é de cerca 200 m;
-As paredes alveolares são muito delegadas, e tem grande área de superfície para difusão dos gases.
-Os alvéolos contém células fagocíticas – macrófagos alveolares (que mantêm os alvéolos livres de poeira detritos, visto que este não tem cílios).
-As paredes alveolares contêm fibras elásticas e revestidas por células epiteliais chamadas Pneumócitos tipo I e tipo II.
-Os Pneumócitos tipo II sintetizam o surfactante pulmonar (necessário para diminuir a tensão superficial dos alvéolos) e tem capacidade regenerativa para pneumócitos tipo I e tipo II.

FLUXO SANGUÍNEO PULMONAR

-É o DC do coração direito.
-O fluxo sanguíneo não é distribuído gualmente pelos pulmões devido a gravidade .
-Circulação brônquica: Suprimento sanguíneo para as vias condutoras que não participam da hematose; e é fração muito pequena do fluxo sanguíneo pulmonar total.
VOLUMES E CAPACIDADES RESPIRATÓRIAS

Os volumes estáticos do pulmão medido pelo espirômetro
VOLUME:
-Volume corrente normal (VCN): É o ar inspirado ou expirado em cada ciclo normal de um adulto jovem 500ml ou 0,5 l.
-Volume reserva inspiratório (VRI): o volume do ar inalado forçadamente além dos 500 ml do VCN e é = 3000ml = 3,0 l.
-Volume reserva expiratório (VRE)= volume de ar exalado por expiração forçada após término da expiração normal é cerca de 1100ml. (volume de ar que podemos expirar além do VCN).
-Volume residual (VR) – volume de ar que permanece nos pulmões após expiração forçada. Cerca de 1200ml ou 1,2 l. ( mesmo existindo esforço máximo este volume não sai).
-Capacidade – Estudo de dois ou mais volumes:

1.CAPACIDADE INSPIRATÓRIA = VCN + VRI = 3500ml
2.CAPACIDADE RESIDUAL FUNCIONAL (CRF) = ar que permanece nos pulmões após expiração normal. VRE + VR = 1100 + 1200 = 2300
3-CAPACIDADE VITAL (CV) = Quantidade máxima de ar expelido dos pulmões após enche-los ao máximo e em seguida expirado ao máximo. (CV) = VCN + VRI + VRE = 500 + 3000+1100 = 4600 ml ou 4,6l
4- CAPACIDADE PULMONAR TOTAL (CTP) = volume máximo de extensão dos pulmões com maior esforço inspiratório possível = 5.800 ml.
CPT = VCN + VRI + VRE + VR = 5.800
500+ 3000 + 1100 +1200

ESPAÇO MORTO

Anatômico = 150ml do VCN fica na via condutora sem fazer hematose; ( EMA):
Espaço Morto Fisiológico: É o volume de gás nos pulmões que não participa das trocas gasosas.
EMFisiológico = EMA + EM funcional - falha no ajuste, ou desigualdade entre ventilação e a perfusão, na qual os alvéolos ventilados não são perfundidos pelo sangue capilar.

Obs: Em uma pessoa normal o espaço normal fisiológico é igual ao espaço morto anatômico, pois todos os alvéolos são perfundidos de forma ajustada.
A Freqüência Respiratória numa pessoa norma é Fr= 12 resp/min
Na prática o volume CN é 350 ml devido ao espaço morto anatômico logo:
O volume alveolar minuto= 350 x 12 ou 0,35 ml/min X 12= 4,2 l/min

MECÂNICA VENTILATÓRIA

Músculos usados na ventilação: A inspiração é um processo ativo
Músculos Inspiratórios
O diafragma é o músculo mais importante para a inspiração. Quando o diafragma contrai, o conteúdo abdominal é empurrado para baixo, enquanto as costelas são movidas para fora e para cima. Isto produz aumento do volume intratorácico o que reduz a pressão intratorácica o que provoca o fluxo de ar para os pulmões.
Durante o exercício, quando aumenta freqüência respiratória e o volume corrente, para produzir inspirações mais vigorosas. outros músculos passam a ser usados como acessório. São eles os músculos esternocleidomástoideo que eleva o externo, o Serrátil anterior, eleva muitas das costela e o escaleno eleva as 2 primeiras costelas.
Músculos Expiratórios
A expiração é um processo passivo. O ar é expulso dos pulmões pelo gradiente inverso de pressão, entre pulmões e atmosfera, até que o sistema atinja seu ponto de equilíbrio.
No exercício ou nas doenças em que a resistência das vias aéreas fica aumentada, como na asma os músculos podem ajudar o processo expiratório. Estes músculos incluem os músculos abdominais, que comprimem a cavidade abdominal e empurram o diafragma para cima, e os músculos intercostais internos, que puxam as costas para baixo e para dentro.
Obs: O CO2 é transportado para o pulmão por 3 formas:
-Ligado ao HCO3
-Ligado a Hemoglobina CO2Hb
-Dissolvido no plasma
O O2 é transportado ligado a Hb ou dissolvido no plasma.
A membrana é 20 vezes mais permeável ao CO2 do que o O2
Complacência: É uma medida de quanto varia o volume como resultado da variação da pressão. Descreve o volume pulmonar para uma dada alteração de pressão.
A medida da pressão e do volume pulmonar complacência pulmonar exige medida simultânea da pressão e do volume pulmonar.
-Pressão alveolar ( interior e fora)
-Pressão transmural ou transpulmonar - Palv.- P intrapleural
Observação:
Movimento do ar para dentro e para fora dos pulmões
-O pulmão é uma estrutura elástica que colapsa como um balão e expele o ar pela traquéias sempre que não houver força para mantê-lo inflado.
- Não há ponto de fixação dos pulmões com as paredes torácicas, exceto no ponto onde cada pulmão se prende ao mediastino por meio do seu hilo.
-O pulmão flutua dentro da cavidade torácica circundado por uma fina película que lubrifica os movimentos dos pulmões dentro da cavidade.

DEFINIÇÃO DASD PRESSÕES

Pressão pleural e suas variações durante a respiração
Pressão pleural: pressão do líquido existente no estreito espaço entre a pleura pulmonar e a pleura da parede torácica.
A pressão pleural normal é ligeiramente negativa. No início da inspiração é de –5 cmH2O e no final é –7,5 cmH2O. Na expiração inverte-se estes valores.
Pressão Alveolar: É a pressão do ar no interior dos alvéolos pulmonares.
Quando a glote está aberta, e não há entrada nem saída de ar dos pulmões, a pressão em toda árvore até os alvéolos é igual a P.atmosférica ou seja 0 cmH2O.
- Para o fluxo de ar para o interior dos alvéolos durante a inspiração a pressão cai um pouco (-1 cmH2O) ficando negativa, o que é suficiente para entrada de 0,5 l de ar nos 2s para inspiração normal.
- Na expiração, as alterações são opostas- A P alveolar aumenta para +3 cmH2O, são positivas que induzem a saída de 0,5 l de ar.
Pressão transpulmonar: É a diferença de pressão entre a pressão dos alvéolos e a pressão pleural.
Fornece a medida das forças elásticas nos pulmões que tendem a produzir colapso dos pulmões a cada momento da respiração denominada:Pressão de retração.

COMPLACÊNCIA DO SISTEMA PULMÃO E PAREDE TORÁCICA

 A parede torácica é complacente e isto é demonstrado pela resposta à introdução de ar no Espaço intrapleural – PNEUMOTÓRAX .
 a pressão intrapleural é negativa ( normalmente)
A PRESSÃO NEGATIVA RESULTA DE 2 FORÇAS ELÁSTICAS IGUAIS E OPOSTAS: uma tende a colapsar e uma tende a expandir a parede torácica.
Ocorre quando é introduzido ar no espaço intrapleural ( por fluxo perfurante). O orifício na parede torácica faz com que a pressão intrapleural fique subitamente igual a pressão atmosférica. Neste ponto não existe mais força expansora contrabalanceadora atuando sobre o pulmão o que provoca o colapso do pulmão; A perda da força contrabalanceadora também obriga a parede torácica a se expandir.
Observação: A complacência pulmonar aumenta ↑ no Enfisema (tórax de barril e CRF ↑) e nas idades avançadas devido à perda de tecido de fibras elásticas.
A complacência pulmonar ↓ na fibrose e aumenta a tendência ao colapso.
QUANDO A PRESSÃO (+) OU COLAPSADORA ATUANTE SOBRE O PULMÃO DIMINUI ↓ DIMINUI A TENDÊNCIA AO COLAPSO EM QUALQUER VOLUME PULMONAR.

TENSÃO SUPERFICIAL

O problema para manter pequenos alvéolos aberto é o seguinte: Os alvéolos são revestidos internamente por uma delgada camada de líquidos.
A s forças atrativas entre as moléculas adjacentes do líquido são mais fortes que as forças atrativas entre moléculas, o líquido de gás nos alvéolos, o que cria tensão superficial. A tensão superficial gera uma pressão que tende a colapsar a esfera. A pressão, gerada por tal esfera é dada pela lei de laplace:
P=2T/r P = pressão
T= tensão superficial
-O alvéolo grande tem raio maior e pressão colapsante e portanto exige pressão mínima para permanecer aberto.
-O pequeno alvéolo por ter menor raio, terá elevada pressão colapsante, exigindo mais pressão para permanecer aberto.Logo os alvéolos pequenos não são ideais devido sua tendência ao colapso.
-Levando em conta as trocas gasosas, os alvéolos devem ser bem pequenos quanto possível , para aumentar sua área total de superfície. Esse conflito é resolvido por uma substância chamada SURFACTANTE.

O SURFACTANTE:

O surfactante é uma mistura de fosfolipídio que recobre a superfície interna dos alvéolos, diminui a tensão superifcial.
Um alvéolo pequeno vai colapsar que chama-se de ATELECTASIA. (alvéolo sem surfactante).
É sintetizado a partir dos ácidos graxos, pelos pneumócitos tipo II. Sua composição exata não é conhecida mas seu principal constituinte é o DIPALMITOIL FOSFATIDILCOLINA – DPPC. Que reduz a tensão por sua natureza anfipática ( hidrofóbica em uma extremidade e hidrofílica em outra).
As forças intermoleculares do DPPc rompem as forças atrativas entre as moléculas do líquido que revestem o alvéolo.
O surfactante presente diminui a pressão colapsante diminuindo a tensão superficial e os alvéolos pequenos ficam abertos.
O surfactante representa outra vantagem para o funcionamento pulmonar: aumenta a complacência pulmonar e reduz o trabalho para a expansão dos pulmões durante a inspiração.
Aumenta a complacência diminui a pressão colapsante para qualquer volume tornando mais fácil a expansão
Síndrome da angústia respiratória do recém nascido é determinada pela falta da produção do sufactante no período fetal.
-Sua síntese começa 24ª semana da gestação.
-Nas Crianças prematuras quanto maior o grau da prematuriedade menor a probabilidade de surfactante presente.
-Da 24 ª a 35ª semana da gestação é considerado estado Surfactante incerto.
-Na sua falta, o trabalho ventilatório fica maior; a ventilação alveolar fica menor e reduzindo a ventilação alveolar resultando em perda do ajuste ( balanço) entre ventilação e a perfusão resultando em hipoxemia.

REFERÊNCIAS :
1 - GUYTON, A.C.,HALL,J.E. Tratado de fisiologia médica.10. ed.. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.
2 - GUYTON, A.C.,HALL,J.E. Tratado de fisiologia médica.9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1997.
3 - LINDA S COSTANZO. Fisiologia. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 1995,

5 comentários:

casa disse...

gOSTEI DA MATERIA,MAS É PRECISO FAZER EXERCICIOS PARA FIXAR A MATERIA E É DIFICIL ACHAR EXERCICIOS PARA ESTUDAR,DEIXO SETA SUGESTÃO PARA QUE AS PESSOAS POSSAM POSTAR MAIS EXERCIOS AJUDANDO QUEM PRECISA.

Prof.Adão Marcos(BIOLOGIA) disse...

001):Dos animais a seguir, os únicos que apresentam respiração pulmonar são;
a) minhoca, sapo e peixe b) golfinho, barata e cobra c) peixe-boi, jacaré e pato d) baleia, aranha e peixe e) tartaruga, jacaré e tubarão
02):A alta atividade orgânica dos vertebrados impõe um consumo maior de oxigênio. Para tanto, observa-se que diversos mecanismos respiratórios foram adaptados, tais como: respiração cutânea, braquial e pulmonar.
a) Qual a condição básica para que ocorra a respiração cutânea?
b) Cite a classe de vertebrados na qual existem espécies que apresentam respiração cutânea.
c) O que provoca a entrada e a saída de ar na respiração pulmonar, sabendo-se que os pulmões não possuem movimentos ativos?
03):Entre os animais de respiração cutânea, o oxigênio atravessa a epiderme e é transportado por vasos sangüíneos até os tecidos, em
a) sapos e minhocas. b) lombrigas e rãs. c) esponjas e medusas.
d) planárias e minhocas. e) pererecas e planárias.
04):Brânquias e pulmões são órgãos cuja estrutura reflete a função que exercem.
O conteúdo dessa afirmação baseia-se, principalmente, no fato de ambas apresentarem:
a) estrutura ramificada, que possibilita grande superfície de contato com a água ou com o ar atmosférico.
b) estrutura compacta, que acarreta grande proteção das dobras por onde os gases se difundem.
c) grande número de canais, o que faz com que o gás oxigênio vá diretamente para as células de todo o corpo.
d) rica vascularização, que permite ao organismo a eliminação rápida do gás oxigênio.
e) extensa rede de leucócitos, que estimula a maior captação de gases da água ou do ar atmosférico.
05):A respiração é um fenômeno representado por uma constante troca de gases entre os seres vivos e o meio ambiente. A maioria dos seres vivos desenvolveu estruturas especiais para absorção de oxigênio e eliminação de dióxido de carbono. Os vertebrados apresentam respiração
a) cutânea, traqueal e pulmonar. b) traqueal e pulmonar.
c) traqueal, branquial pulmonar. d) cutânea, branquial e pulmonar.
e) cutânea, branquial, traqueal e pulmonar
06):Assinale a alternativa que indica o comportamento da caixa torácica, dos músculos intercostais e do diafragma durante a expiração humana.
a) A caixa toráxica aumenta de volume, os músculos intercostais contraem-se e o diafragma abaixa.
b) A caixa toráxica aumenta de volume, os músculos intercostais contraem-se e o diafragma levanta.
c) A caixa toráxica diminui de volume, os músculos intercostais contraem-se e o diafragma levanta.
d) A caixa toráxica diminui de volume, os músculos intercostais relaxam-se e o diafragma levanta.
e) A caixa toráxica diminui de volume, os músculos intercostais relaxam-se e o diafragma abaixa.



Prof. Adão Marcos Graciano Dos Santos
Ciências Físicas e Biológicas
www.adaomarcosbio.blogspot.com

dinha disse...

sou aluna do curso e lic em ciencias biologicas(UFPE), suas referencias sao as mesmas do prof da disciplina. Amei seu blogger, estou tirando as duvidas que estam surgindo.
valeu

dinha disse...

sou aluna do curso em lic em ciencias biologias pela UFPE, estou tirando as duvidas pelo seu blogger, suas referencias sao as mesmas que usamos,porem, achei seu conteudo mais explicativo, estou achando o livro sem sequencia, nao sei explicar direito.
ate mais!!!

Armando Samuel disse...

1. Sobre o surfactante pulmonar:

a) Indique o nome das células onde é produzido o seu principal componente.

b) Indique a classe e subclasse de lípidos a que pertence o seu principal componente.

c) Indique duas doenças que resultam da sua deficiência, uma por deficiência quantitativa e outra

por deficiência qualitativa.

d) Explique, de forma resumida, o seu papel na fisiologia respiratória.

e) Indique o nome (trivial e sistemático) de pelo menos três surfactantes pulmonares

sintéticos/exógenos usados na prática clínica.

2. Dada a figura abaixo, responda as perguntas com as palavras apropriadas.

a) A que classe e subclasse de lípidos pertence?

b) Qual é a sua designação?

c) Indique o papel que desempenha no organismo humano

d) Qual é a doença em que a substância representada pela

estrutura ao lado participa na sua patogenia?